O baralho cigano ou, petit lenormand, como é mais conhecido na Europa, é um dos oráculos mais populares do mundo. Sua iconografia é composta por símbolos cotidianos que produzem uma sensação de proximidade e identificação, facilitando o seu entendimento e leitura.

 

Ao contrário do que se pensa, ele foi criado em Nuremberg, na Alemanha, em 1800 com o nome de JOGO DA ESPERANÇA e era, na verdade, um JOGO DE TABULEIRO em forma de baralho que podia ser jogado por todos em qualquer lugar.

 

As cartas era dispostas em ordem e dois dados de seis faces lançados pelos jogadores movimentavam os peões cuja trajetória era afetada pela carta onde caíam, sendo jogadas para frente e para trás. Ganhava quem chegasse, primeiro, à carta 35, a âncora.

 

Experimente e divirta-se!

 

As imagens eram usadas para o jogo de tabuleiro e os naipes para os jogos de carta.

 

As regras do jogo encontram-se num apêndice, abaixo do texto. É uma tradução livre da tradução para o inglês feita por Marcus Katz & Tali Goodwin, com Steph Myriel Es‐Tragon.

 

Por volta de 1840, o baralho foi reeditado com o nome de petit lenormand, em homenagem à famosa oraculista francesa, Mlle Le Normand, dessa vez, exclusivamente, como oráculo.

 

O petit lenormand chega ao Brasil nas livrarias do Rio de Janeiro, logo a seguir o seu resurgimento, sendo usado por  várias cartomantes da época como nos conta a historiadora e escritora Mary del Priore, em seu livro Do Outro Lado - A História do Sobrenatural e do Espiritismo.

 

Possivelmente, tenha se popularizado como baralho cigano por, também ter sido conhecido como “cartas ciganas”, nome que não teve muita força na Europa. Minha opinião é que o baralho tenha sido introduzido nos cultos afro-brasileiros e, a partir daí, sofrido uma releitura encontrando lugar no culto aos ciganos espirituais. A partir daí, foram feitos sincretismos com os orixás, alterando, primeiramente, seu significado e então, seu simbolismo.

 

Algumas alterações deram-se por erros de interpretação e por mudanças nas imagens produzidas por erros de impressão. Como exemplos temos o trevo significando obstáculos, aqui, enquanto, na Europa, é um símbolo de sorte e alegria.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O conhecimento produzido a partir desses sincretismos seguiu por décadas até que Katja Bastos, produz de forma muito peculiar, espiritual e até diria, poética, o primeiro baralho com imagens adequadas às mudanças feitas no Brasil.

 

A guia espiritual de Katja, a Rainha Cigana, instruiu um famoso artista plástico na produção de 36 figuras que se tornaram o Tarot Cigano da Trybo Cósmica, consagrando Katja Bastos como a mãe do baralho cigano no Brasil, o que nos permitiu entender o conceito de “Escola Brasileira”, que vem a ser o corpo de ideias produzidas no nosso país, a partir de uma releitura e sincretismos com os elementos religiosos e mitológicos dos cultos afro-brasileiros.

 

Assim, podemos dizer que existem duas grandes correntes de pensamento que estudam o baralho cigano, a Escola Brasileira e a Escola Europeia.

 

LENORMANDO © 2016 Alexsander Lepletier | Design por Luciana Lebel