1.O Cavaleiro: O ímpeto, a iniciativa a coragem são a marca da carta número 1. Descreve todo tipo de movimento direcionado, meta e objetivo a ser atingido. O cavaleiro é uma carta bastante auspiciosa funcionando como uma força extra que nos faz superar os problemas e dificuldades, fazendo tudo fluir. Como uma “onde de sorte” nos impulsiona para frente e nos lança ao mundo. Portadora de boas notícias é sinônimo de êxito e materialização dos desejos.

 

Novos começos e propostas, novas ideias e pensamentos colocam a vida em movimento. O Homem em ação. Coragem e habilidade para lidar com as circunstâncias, quer sejam boas ou más.  

 

O príncipe no cavalo branco que liberta a princesa da torre e mata o dragão.

 

Sua natureza dinâmica faz com que esteja sempre perseguindo uma meta e um objetivo interferindo, assim,  na sua capacidade de se fixar. Terminada uma missão, ele logo se coloca em busca de outra. Intolerante a rotina e a mesmice, precisa sempre de um ideal perdendo o interesse nas coisas quando já não há mais novidade.

 

Representa: o corpo em forma, resistência física, os veículos individuais, os conquistadores, os pioneiros, a inciativa, tudo que se lança, a coragem, a aventura, a habilidade e domínio sobre algo, o trapezista, o ginasta, bicicleta, a moto e o carro, o gatilho, o impulso, a vontade, o objetivo, a meta, o sentido de dever, a capacidade de concluir e de cumprir.

 

2. o trevo: Símbolo pagão cristianizado por São Patrício na Irlanda, representa a Trindade divina na sua forma de trifólio e os quatro Evangélios na sua forma de quadrifólio. Esta carta indica esperança e o desabrochar de uma atmosfera de otimismo, sorte e favorecimento. Precisamos no mexer e ir de encontro às oportunidades para que elas não passem. O trevo diz que a aparência simples de algo, de alguma situação, ou de alguém pode encerrar grandes e belas supresas. Aqui vale aquele ditado: “Nos pequenos frascos encontram-se os grandes perfumes”. Desfrute o máximo as oportunidades, mesmo aquelas que parecem menos expressivas e  importantes, pois a carta 2 nos traz sempre algo, às vezes, e pequeno e simples mas que terá uma repercussão muito positiva no fututo. É como uma semente que temos de regar e esperar crescer.

 

Outra palavra-chave para essa carta é a simplicidade. O trevo não complica nada e consegue fazer muito de pouco.

 

Representa: a sorte, a oportunidade e a esperança. Uma semente que encerra sua pequena e frágil forma, toda uma árvore. A presença da espiritualidade na nossa vida que nos concede meios para atingirmos nosso objetivos e conquistarmos nossa felicidade.

 

3. O Navio: A carta 3 simboliza tudo o que vem de fora, de longe, o que é exótico e rico. Traz prosperidade e crescimento ultrapassando as fronteiras e extentendendo o nosso alcance. O que seria uma barreira para o continuar de uma jornada, no caso o mar, é o que ele usa para de deslocar e ir além. Sendo assim nos permite ultrapassar e superar grandes dificuldades. O contato com as terras distantes e as regiões inalcançadas nos permitem entrar em contato com o novo, com o diferente, ampliando nossa visão de mundo e nos mostrando outros pontos de vista, permitindo-nos viver e observar experiências novas. Assim como ele nos leva ao novo, nos faz também ser algo diferente em terras distantes abrindo um canal de troca e enriquecimento, regendo assim, o comércio e as riquezas, a cultura e a experiências de vida. É uma carta de mudança num sentido de expansão e crescimento.

 

Na qualidade de viagem física, devemos levar em consideração a distância calculada pelos antigos como sendo algo "longe demais para ser realizado à pé" (lembre-se que desde então as referências de "perto" e "longe" mudaram bastante). Na qualidade de viagem psíquica, o objetivo sempre é o crescimento interior através da experiência vivida.

Superação de obstáculos, movimento e progresso, mudanças para melhor.

 

Multiculturalidade, conhecimento, o apredizado e o domínio das línguas estrangeiras. Abundância. A excitação e emplogação de uma viagem ou jornada.

 

Representa: o comércio, as viagens, as culturas estrangeiras, os tesouros, os veículos coletivos, as grandes distâncias, a cultura.

 

 4. A Casa: Esta carta é, antes de mais nada, um símbolo da família, das nossas raízes e origens. Fala da educação que recebemos em casa  e de tudo que herdamos de nossos pais, familiares e antepassados. É um espaço de amor, proteção e troca onde só entra quem permitimos sendo um símbolo da nossa intimidade. O espaço usado para a construção da casa é definido por seu muro e nesse contexto ela nos fala do sentido de propriedade, regendo os bens imóveis e tudo que é nosso por direito. Outro atributo muito importante a ser destacado é a noção de limite pessoal, que demarca até onde eu posso ir e agir sem interferir no outro.

 

Como construção duradoura e bem imóvel,representa os nossos alicerces e a estabilidade, a prosperidade e os frutos dos investimentos aplicados de forma a gerar segurança e a saciedade das necessidades pessoais.

 

Pode representar um local fechado onde se realiza algo: Igreja, escritório, escola, etc, dependendo do seu contexto na leitura e das cartas que a ladeiam.

 

Ex.: Casa + Cruz – Igreja, Casa + Livro – Biblioteca, Universidade, Casa + Criança – Creche, Jardim de Infância, etc.

 

O tamanho do terreno e a sua divisão, bem como a forma como é planejada, sendo cada cômodo reservado a uma função específica remetem-nos a ideia de Organização, do lugar certo de cada coisa, promovendo assim a harmonia e o bem-estar físico e interior. Onde essa carta aparece pode-se contar com realização e sucesso.

 

Representa: a família, a propriedade, a prosperidade, a intimidade, o conforto, o amor, o carinho, a herança, a proteção e o apoio, o alicerce, a educação.

     

5. A árvore: Saúde e vida. A árvore e seu simbolismo ascensional indicam  progresso lento e  fertilidade. Tudo que se estabelece a longo prazo tornando-se mais fortecom o passar do tempo. Para poder ser bem sucedida no seu crescimento e na sua longevidade, que chega, às vezes, a milênios, precisa de três fatores importantes que se são atributos-chave nos simbolismo da carta cinco: Flexibilidade, Capacidade de Adaptação e Regeneração. A combinação dessas três qualidades lhefaz resistente às adversidades através de um comportamento não agressivo e consciente de que cada etapa na roda das estações e cada relação com o solo, fauna e flora que lhe rodeiam são essenciais para o seu equilíbrio e sucesso, fortalecendo-se cada vez mais. Esse comportamento integrado, que a conecta com o meio evidencia seu caráter ecológico e fala do aproveitamento e da reciclagem, onde, na sua biologia podemos ver as suas próprias folhas formando o húmus do solo que lhe alimenta e cedendo seu frutos aos animais com quem divide o meio onde se encontra, garante a disseminação de suas sementes sem precisar sair de onde está. Na carta cinco, nada se perde, tudo se transforma e se reverte a nosso favor. Essas mudanças e trocas revelados pela sua biologia e simbolismo são padrões presentes no nosso metabolismo, palavra que vem do grego e significa “mudança, troca”, e que é o conjunto de transformações que ocorrem em nosso organismo e mantém o equilíbrio e o funcionamento do corpo. Tais reações são dependentes do meio e o influenciam da mesma forma. Assim temos a árvore como carta representante da saúde.

 

Como os seus frutos, que só se tornam comestíveis e saborosos na hora certa, a carta cinco fala da maturidade adquirida através das experiencias de vida e da capacidade do bom aproveitamento das situações.

 

Estando pela e em perfeita harmonia com o meio, fornece-nos incontáveis frutos, flores e sementes. É a abundância e a fertilidade, tão comuns a ela. Como no dizer popular: “Sombra e água fresca.”.

 

Quanto mais velha, mais forte, mais alta, copa mais larga e raízes mais profundas. Desenvolvimento e aprofundamento são atributos da árvore.

 

Representa: A troca e o bom aproveitamento de energias. O enraizamento e a estabilidade, a fertilidade e a abundância, as experiências de vida e a sabedoria, força, vigor, saúde, regeneração, aprofundamento e desenvolvimento. Energias positivas.

     

6. As Nuvens: Nuvens prenunciam chuva e recolhimento derramando água do céu sobre a terra, encobrindo o Sol e a sua luz e calor.

 

A carta seis nubla tudo aquilo que toca gerando ilusão e confusão. Como se interpõe entre o Sol, fonte de alegria, vitória e vida, e nós, simboliza os momentos de desespero e tristeza onde as emoções descontroladas se sobrepõem a razão gerando confusão e transtornos de ordem mental e emocional através de depressões, delírios e fantasias. Como a chuva se precipita do céu, as lágrimas escorrem nos olhos, frutos da ação das nuvens que prenunciam a frustração e a decepção.

 

Os estados alterados de consciência como a embriagues são regidos por ela que nos impede de ver o caminho e projeta na sua brancura, como uma miragem no deserto, as nossas ilusões e medos fazendo-nos acreditar que são reais.

 

Ela é amorfa e etérea, sem consistência e sem poder de realização desmanchando tudo que toca. Não representa uma ameaça real mas induz-nos a projetar nossas expectativas em pessoas ou situações levando-nos a enfrentar dificuldades que, no fim, fomos nós que criamos. Porém, sua natureza é transitória e ela passa e se desmancha como os vapores e os nevoeiros. É levada pelos ventos deixando, mais uma vez, a luz do Sol brilhar e nos aquecer, preenchendo nossa vida de felicidade como na roda das estações onde o Outono e o inverno dão lugar a primavera e o verão.

 

Representa: a instabilidade, a dispersão, as ilusões, a embriagues, as situações transitórias e sem conclusão, a tristeza, a depressão, o desespero, os medos, a imaginação, o desequilíbrio mental e emocional, o drama.

 

7. A Cobra: Esta carta  surgiu a patir do Inimigo, do Sibila dos Salões, e alerta para perigos iminentes e próximos vindos de pessoas mal intencionadas. É a inveja e a ardilosidade de pessoas frias e calculistas que estão somente esperando o momento em que se baixa a guarda para que o ataque seja certeiro e fulminante. Essa característica a torna a carta da estratégia, da análise silenciosa e fria onde se busca os pontos fracos do adversário para que a investida seja decisiva no combate. A capacidade de ter  sangue frio e mater a calma em quaisquer circuntâncias é uma caractarística forte na carta sete. Possuidora de uma mente capaz de processar informações rapidamente e de manter o foco e a paciência em suas empresas faz da cobra um inimigo perigoso e uma pessoa a se evitar. Solitária e silenciosa, sempre se esgueirando sem ser notada, a potencia do seu veneno lhe torna uma ameaça temível.

Uma carta de contrastes oscila de um comportamento lento e silencioso a outro rápido e direto quando menos se espera.

 

Ela é invasiva e deseja eliminar seus inimigos para tomar para si o que lhes pertence. Enquanto o rato é a carta do furto, a cobra é o roubo. Aqui o inimigo é oculto e próximo, portanto o cuidado deve ser redobrado!

 

Representa: A estratégia, o cálculo, a precisão, a rapidez e eficácia na ação, a paciência e a concentração, a capacidade de mover-se furtivamente, o veneno, a injeção, o inimigo, o roubo, a traição e a inveja. Algo nocivo que nos ronda, que está perto de nós. Pede a atenção ao adentrar território desconhecido e ao excesso de confiança. 

    

8. O caixão: Apesar de repulsiva na nossa cultura que pretende uma juventude e vida eterna, onde falar de morte é um tabu e algo a ser evitado, a realidade é outra. A morte faz parte da vida. Sem ela nada se renova. O caixão é o símbolo máximo da morte e algo que todos que estão vivos hojes enfretarão um dia.  Carta oito é o ponto de esgotamento, onde tudo perde energia, consistência e vida. O momento de definhamento, degradação, paragem, o fim. Apesar de todo desconforto que essa imagem nos causa é algo inerente a todo ser vivo ou mesmo objeto inanimado. Nesse sentido o caixão rege aquilo que finda por não haver mais motivo nem energia para sua continuidade. É um fim natural.

 

Dificilmente se recupera algo tocado pelo caixão. Ele determina que se algo retorna depois de passar por ele, vem de maneira totalmente diferente e transformada com poucas ou nenhuma referência a forma ou estado anterior.

O que mais causa dor e sofrimento nessa carta é o apego e a resistência ao fim. Caso se consiga entender esse processo, a dor é passageira e não gera sofrimento.

 

Como perda de vitalidade e falência do corpo, ele sinaliza doenças que podem ser graves. Isso vai depender do contexto geral de onde esteja inserido.

 

É um ponto de escoamento onde tudo se perde e se esvai. Ele aniquila e desintegra para que o novo possa se construir e se criar de forma original e livre. A meu ver, é tolice dizer que essa carta é mudança radical e recomeço. Ele é uma via para isso, parte do caminho, mas se ele se apresenta num jogo, foca evidencia o momento da perda, do esvaziamento que deve ser conscientemente confrontado para que o novo seja aceito e compreendido em sua plenitude.

 

Representa: Morte, doença, perda, esvaziamento, degradação, apodrecimento, aniquilação, fim natural, fim de um ciclo, caminho sem volta, perda sem recuperação, libertação do velho, perda de energia, um buraco, a dor da perda.

 

9. O Bouquet: O bouquet é a carta da beleza, do mimo, do presente, da cor e da alegria. Impregnada de uma energia genuinamente feminina, é a graça e a delicadeza nos movimentos, na voz, na aparência. É um artigo artesanal confeccionado a partir da seleção das melhores flores dispostas de forma a se combinarem criando harmonia e beleza. É  bom gosto, requinte e seltividade.

 

Suas cores vivas transmitem uma sensação de felicidade, amor e alegira. Ativa os centros de prazer através de estímulos sensoriais agradáveis como a cor, o sabor, o aroma, a textura e o paladar acarinhando o corpo que responde protamente a eles. O Bouquet é o perfume gostoso, a roupa bonita, os adornos e acessórios, os enfeites e tudo que promova a beleza e a estética, desde um quadro na parede a um prato bem temperado e confeccionado. A beleza é um canal de expressão para sentimentos de alegria e amor e prazer. Uma roupa nova para uma festa, um presente para uma pessoa querida ou mesmo flores para um grande amor. O ato de dar e homenagear através de gestos de carinho e presentes especiais  são formas de representar sentimentos profundos e de marcar um momento de forma que toda a sua beleza e estética, que são perecíveis com o tempo, fixam toda essa carga afetiva na memória e no coração gravando-a na história pessoal de quem a vive.

 

Representa: A beleza, o prazer, a harmonia, o enfeite, o que é gostoso, uma homenagem, uma promoção, um presente, a vaidade e a futilidade, as apareências, os sentimentos de amor, uma caixa de bombons.

 

10. A Foice: A foice é um símbolo comum nas culturas ocidentais como significante da morte. No Petit Lenormand a carta dez se apresenta como uma ameaça a integridade das coisas. Algumas fontes, pricipalmente na escola brasileira, atribuem-na o significado de “colheita” por estar a gadenha repousada em maços de trigo. O que acontece aqui é que o nome da carta não aponta para uma colheita mas para o instrumento com o qual ela é feita, ou seja, a ação cortante da lâmina sobre o trigo.

 

Nela se configura a ameaça da lâmina que compromete a integridade do que ela toca. Para melhor ilustrar essa carta basta conversar com pessoas do campo ou mais antigas e ouvir as suas histórias do “homem da foice”, geralemte alguém irado e perigoso quem tem a intenção de ferir ou mesmo matar alguém com o instrumento. Também a expressão popular: “Briga de Foice”.

 

Temos aqui um símbolo de ameaça e perigo, muitas vezes, repentino e sem aviso.

 

É interessante compararmos sua ação e significado com a carta 8, o caixão. Na última temos algo que chegou ao fim, que acabou e se esvaziou. Que não voltará a ser mais como antes, enquanto na carta dez temos a interrupção brusca de algo antes de chegar ao seu fim natural, como o trigo que é ceifado antes de completar seu ciclode vida. Portanto, geralmente, o que se perde com a foice,dependendo do contexto geral, pode ser recuperado. Aqui não se descreve uma perda total mas um corte abrupto e uma interrupção de um processo antes de sua conclusão. Há perdas, com certeza, e dispersão de energia e recursos, mas possivelmente ainda resta o suficiente para uma reconstrução.

 

É a carta que rege a retirara dealgo desgradável ou bom. São as cirurgias e remoções bem como as perdas e os acidentes.

 

Fria, incisiva e carente de afetos, a foice ataca e fere, do a quem doer.

 

  • A perda, o corte, a dor aguda, o acidente, a ameaça e o perigo, as cirugias, as lâminas, as interrupções bruscas, a frieza, a falta de sentimentos, a ação rápida.

 

11. O Chicote: Símbolo de opressão, é a violência e o castigo, a rivalidade as torturas morais, psicológicas e, principalmente, físicas. Símbolo de poder e agressão, gera opressão e rivalidade,conflitos e negatividade. O chicote representa uma força intensa direcionada para causar dano e dor impondo autoridade de forma violenta e coerciva. A carta 11 mostra um movimento intenso e destrutivo, perturbador da paz e da integridade que desloca as coisas e pessoas através da sensação de dor e da imposição dura da vontade.

 

Os padrões caóticos destrutivos que desarmonizam o quer que seja através da dor.

 

Sendo uma carta avessa a conciliação e união indica separações e cisões não amigáveis e natureza litigiosa. Impede que se ouça o outro e tudo que vem de fora pode ser considerado uma ameaça que precisa ser oposta e destruída. É a agressividade e a reação exagerada e violenta a estímulos externos. Simboliza tudo que causa dor e desconforto.

 

Quando representa a sintonia e natureza das energias no campo espiritual, fala de “bruxarias” e “feitiços” que tem como objetivo nos afastar de tudo que é bom e criar discórdia a nossa volta. São os sentimentos de raiva, ódio e desconforto.

 

  • Cólera, ira,raiva, ódio, litigio, guerra, separação, força destrutiva, castigo,torturas, palavrões, palavras e atitudes ofensivas, pensamentos caóticose autodestrutivos, energia negativa, força intensa , agressividade e capacidade de luta e enfretamento.

 

12. Os pássaros: Ao entendermos essa carta, precisamos conhecer a sua origem. Nos primeiros baralhos era representada por duas corujas, símbolos nefastos na cultura vitoriana, associados à escuridão da noite, às bruxas, aos mortos e ao mal. A versão “pássaros” preserva, apesar de forma mais amena, esse padrão caótico.

 

Os pássaros simbolizam uma energia livre e dinâmica que entra em conflito quando contida e causa confusão para quem não consegue acompanhar seu ritmo. É vista na Escola Europeia como estresses e desgastes, tristezas de curta duração, ao mesmo tempo que sinaliza uma viagem feliz. Para compreendermos melhor seus atributos basta observar um pardal. Sempre em movimento, piando e saltando, pronto a alçar vôo no menor sinal de perigo e inquieto mesmo quando está parado. No céu encontra sua casa e onde se sente a vontade usando essa agitação para lhe proporcionar velocidade tornando-o capaz de chegar onde quer com rapidez.

 

O excesso de pensamentos e atividades gerando desgastes, as discussões por coisas pequenas e fúteis, a rapidez e a agilidade são caractarísticas dos pássaros. Como é um carta rápida e, por vezes, dispersiva, não fixa nada  nem se aprofunda, sendo superficial e sem capacidade de manter vículos por muito tempo.

 

Quando encontra espaços abertos e amplos nos traz alegrias e sensação de liberdade, porém, quando contidos geram desconforto e estresse podendo, inclusive, gerar pequenas e passageiras confusões.

 

A ideia aqui é canalizar o excesso de energia para um ponto através da comunicação e do movimento. Pode ser sentida como fadiga e cansaço por excessos de atividades e mente agitada.

 

Representa: Estresse, agitação, inquietação, necessidade de liberdade e movimento, fala compulsiva, viagens curtas e rápidas, parcerias temporárias, cansaço por excesso de pensamento e movimento, alegrias passageiras, relações curtas, claustrofobia, incapacidade de parar, imapciência, hiperatividade, conversas banais, dificuldade de entendimento.

 

13. A Criança: Sem medo e sem preconceito, assim é a criança. Inocente e feliz. Representando os estágios iniciais do desenvolvimento, indica algo que já existe está crescendo. Curiosa, sempre aberta ao aprendizado, a criança simboliza uma cabeça tranquila e sem preocupações, a facilidade de aprendizado e a curiosidade. Os sentimentos de alegria se fazem presentes colorindo o ambiente e trazendo uma sensação de bem estar e tranquilidade. O seu caráter lúdico não deixa lugar para o mau humor e tudo é motivo de celebração e festa. A felicidade encontra-se nas pequenas coisas e a imaginação e abertura para a vida tornam tudo interessante e uma novidade. O sua capacidade de socialização lhe faz representar, junto com o cão, as amizades.

 

Criatividade, Imaginação, capacidade de adaptação e aprendizado são seus pontos fortes, mas a sua inocência e inconsequência tornam-lhe vulneráveis, pois tiram-lhe a noção do perigo. Também se torna frágil ao depender de terceiros para que consiga realizar algo. É imatura e ainda “verde”. A criança simboliza algo que precisa ser guiado, bem orientado em seu desenvolvimento para que chegue no seu melhor e não se desvitue e degrade durante esse percurso.

 

Representa: O amor pela vida e pelos outros, a capacidade de socializar e fazer amigos, as amizades, a critatividade, a imaginação, o amor, a alegria e o otimismo,a simplicidade, os estágios iniciais, a dependência, a falta de autonomia e de maturidade, algo que precisa de orientação, um potencial ainda não desenvolvido totalmente.

 

14. A Raposa: No simbolismo cristão ela é um dos representantes do Diabo e do mal. A Raposa com seu pelo brilhoso, traços finos e lábia envolvente é a carta da sedução e da conquista bem como da enganação e da mentira. Das falsas promessas e do oportunismo. Políticos e Vendedores são regidos pela carta da Raposa, pois, como eles, sua arma é a palavra e o pensamento, a retórica articulada e a percepção aguçada aliada a uma mente em constante atividade e fervilhando de ideias.

 

Ela te envolve e conquista para tirar de si o que egoistamente deseja, ou deixá-lo em situações de perigo e constrangimento. A ela caem bem os ditados populares: “Nunca julguem um livre pela capa!” e “As aparências enganam”.

 

Toda a forma de fraude, falsificação, estelionato e engodo encontram-se representados pela carta 14. No seu melhor descreve pessoas envolventes e sedutoras como Don Juan e Casanova.

 

Representa: A mentira, a falsidade, a ardilosidade, a falsificação, a burla, o estelionato, a esperteza, a conversa fiada, as promessas vazias, o oportunismo, o egoísmo, a graça nos movimentos, o caminhar silenciosamente, a sedução, a conquista, os galanteios e cantadas, prejuízo por ter-se deixado enganar, o encanto, a lábia, a boa capacidade de comunicação, a mente ativa e a percepção aguçada.

 

15. O Urso: O urso incorpora a força telúrica, a força da terra. Ele hiberna na caverna e habita na montanha. A sua energia é densa e concentrada, fortemente ligada ao mundo material e a tudo que dele vem tornando-o preguiçoso e exigente fazendo questão de qualidade e fartura sem grandes esforços.

 

Egoísta e egocêntrico quer ter tudo não se importando se é preciso ou não e quer que lhe sirvam sempre que deseje ou necessite. É espaçoso e tende a sufocar quem o rodeia espalhando-se e se acomodando da maneira que achar melhor não se importando com os outros.

 

Símbolo do Poder Despótico representa os ditadores e os opressores. Garante-se na vantagem física e na autoridade que exerce fria e impiedosamente. Seduz pelo seu tamanho e poder sufocando num abraço esmagador quem chegar perto ou for seduzido por ele. Chantagista e manipulador nos relacionamentos, tenta controlar a quem está ligado com ameaças, e ordens.

 

É o acúmulo, do inchaço, do intumescimento. Alerta para o ganho de peso e a obesidade, representa os excessos de todas as formas e tudo que está acima do normal. Uma de intensidade emocional mas de sentimentos primários baseados no prazer pela posse e a satisfação dos desejos egoístas e carnais. Seus pensamentos são densos e limitados e sua visão das coisas é estreita. Representa as ideias primárias e básicas sem grande elaboração e desenvolvimento.

 

Territorialista, não admite que invadam o seu espaço e toquem no que é seu demonstrando possessividade e incapacidade de dividir.

 

O que poderíamos tirar de bom do urso é a sua capacidade de gerar recursos, de converter o que está a sua volta em algo útil para si. Vemos isso na sua biologia, é um animal onívoro, alimentando-se de frutas e vegetais, carne, peixe e mel parar gerar a gordura que lhe sustentará no seu período de hibernação. Mas ele só sai na primavera, época em tudo que precisa é abundante e não está longe de si.

 

“Um dos predadores mais reverenciados da natureza. Imensamente poderoso, um animal que incorpora a selvageria e o perigo do mundo animal.”

 

Frase extraída do documentário: The man who lives with Bears.

 

  • O poder, a arrogância, o despotismo, agorduta, os excessos, a manipulação, o controle, o egoísmo, a usura, a gula, a mente limitada, as obsessões, os ichaços, edema e tumores, a preguiça, a falta de educação, o ser desastrado, os maus hábitos, a capacidade de gerar recursos, a corpulência, a força, a cristalização e o materialismo e consumismo.
     

16. As Estrelas: Uma carta poderos mas de influência muito sutil. As estrelas são a luz que se encontra nos confins do Universo, em lugares jamais alcaçados pelo homem daí representarem forças transcendentais que influenciam a vida dos homens e domundo. A Harmonia do universo, a luz criadora. Elas simbolizam a espiritualidade mais elevada, os nossos mentores, guias, e os Anjos.

 

A sua presença indica um momento favorável para realização de qualquer empreendimento onde os astros se configuram beneficamente e conspiram a nosso favor. A energia vem dos céus para a terra e impregnam a nossa vida dando força realizadora para nossas ações. É um período favorável que deve ser aproveitando.

 

Indica que os desejos serão realizados e que os caminhos estão abertos.

 

Por ser um tema celeste e algo que não está na terra sugere que as coisas ainda podem estar no campo das ideias ou mesmo no mundo vitual mas que são nossas e que basta querermos que se concretizarão.

 

É o pozinho de pirlim-pim-pim da Emilia, a energias positivas que pairam no ar, a calma, a serenidade, a criatividade e a espiritualidade.

 

Representa: A luz realizadora, a energia positiva, o anjos e mentores espirituais, o mundo virtual, energias transcendentais, algo que está no mundo dos sonhos esperando que seja desejado para então se realizar, um momento favorável, o êxito e a proteção, a arte, a sensibilidade e a intuição.

 

17. A Cegonha: A cegonha é uma ave migratória, rumando sempre para as regiões mais quentes e abundantes. Os europeus sabiam que sua chegada anunciava o aumento das temperaturas e chegada a primavera, quando os animais despertavam do inverno e a vida saía do torpor ocasionado pelos frios e estéreis meses de inverno. O ninho de uma cegonha feito no seu telhado era sinal de boa sorte, aumento na família e fartura.

 

É atribuído a Cegonha o ato de transportar os bebês por ela chegar no início da época de reprodução de várias e espécies, no momento em que tudo nascia, crescia. Denota fertilidade e gravidez.

 

A carta 17 é sinal de uma fase temporária – mas farta -  de prosperidade e de abundância onde coisas novas sugem na nossa vida e nos proporcionam abertura e crescimento.

 

Sua natureza migratória a faz um símbolo de mudança e movimento, regendo desdeas viagens até as mudanças de casa, de emprego, de lugar.

 

Como se desloca sem aparelhos sabendo sempre a hora de partir e para onde ir simboliza o senso de direção e indica que ninguém além de nós mesmos poderá nos guiar na nossa caminhada. Intuição forte e insights.

 

Representa: Mudanças positivas, viagens, mudanças de casa, gravidez, uma fase boa e próspera passageira, fertilidade, senso de direlção, a resposta estando dentro de nós, intuição e insights.

 

18. O Cão: O cão é símbolo de fidelidade e proteção. Era esculpido em túmulos de Reis e Nobres com a função de proteger as almas nos caminhos percorridos no pós morte. Sempre atendo reage prontamente a qualquer ameaça aqueles quem ama ou à tarefa que desempenha. Além da fidelidade, lealdade e amizade, a carta do cão representa o sentido de dever e compromisso. Seus deveres são cumpridos por amor e não por ambição ou visando lucro. A responsabilidade e a consciência do cumprimento do dever são mais fortes que qualquer coisa. Faz muito recebendo pouco sem se importar.

 

A rotina encontra-se em seus significados por desempenhar seu papel todos dias, sem folga, não tendo grandes alterações no seu quotidiano.

 

É, como a criança, uma carta lúdica e brincalhona onde o bom humor e carinho estão presentes.

 

Tem uma consciência bem desenvolvida do outro tendo uma percepção apurada das suas necessidades estando sempre pronto a supri-las. Significa sentimentos maduros e o prazer da companhia de alguém querido.

 

Tudo o que ela realiza vem através de um contato ou de uma pessoa querida.

 

Representa: Fidelidade, lealdade, responsabilidade, maturidade afetiva, amizade, companheirismo, cuidado, afeto, alegria, brincadeira, dedicação, compromisso, sentido de dever, desinteresse.

 

19. A Torre: Símbolo das construções e monumentos é a representante da durabilidade e da longevidade, do fim da vida com qualidade. As obras que construímos durante a nossa vida e que perduram são representadas por ela, bem como os arranha-céus e os prédio, as torres modernas.

 

A Torre tanto pode encerrar e conter para preservar como para afastar e isolar, por isso rege as prisões e os internamentos bem como tudo que se encontra fora do alcance dos outros. Tem uma função corretiva através do isolamento que proporciona a reflexão necessária a reabilitação e também de preservação afastando o que nela se encerra do alcance dos outros e progendo-se do tempo.

 

Sua altura confere uma visão aéra e mais ampla da vida indicando maturidade e bom senso. Ela induz a reflexão e a introspecção falando do islamento volutário e um momento de paragem necessário.

 

É a solidez e a resistência ao tempo, a prontidão e a sentinela e o aguçado poder de observação e entendimento.

 

Torre alta permite esperar uma velhice longa e feliz pois é o símbolo da durabilidade das construções. O o edifício construído em bases firmes assim como o corpo saudável, forte e resistente.

 

Representa: O isolamento voluntário, a intimidade, a introspecção, o fechamento em si mesmo, a solidão que precisamos de vez em quando, uma internação  hospitalar, ou até reclusão forçada (prisão).

 

20. Os Jardins: Como local de refúgio do mundo, o Jardim é um símbolo de alegrias terrenas e celestes. A carta 20 representa os lugares públicos ou onde as pessoas se reúnem, os grupos de afinidade e a interação social.

 

É o ver e ser visto, a socialização e o contato com os outros. Tanto fala do fazer amizades e divertir-se com amigos como dos flertes e namoros. Afinal, essa era a função dos Jardins no Século XIX: lazer e interação.

 

Carta dinâmica, indica movimento harmonioso e agregador. Sua fonte e diversidade atraem, concentram  e centralizam o que está  a sua volta.

 

É um ponto de convergência, unindo as diferença e proporcionando a harmonia, a aceitação e a tolerância apaziguando os conflitos e promovendo a união. A unidade na diversidade, esse é o seu lema. A União faz a força.

 

Gera sentimentos de alegria e festa e simboliza os lugares e momento onde nos expomos e nos fazemos ver.

 

Simboliza a mão do homem que cuida da natureza, e ao mesmo tempo o lugar encantado onde encontramos paz. O estímulo das suas cores e formas gera sentimentos de alegria  e prazer, gera paz e promove a cura.

 

É a “seleção do melhor” do bouquet em grande escala, representando a abundância e a riqueza, descrevendo ambientes luxuosos e sofisticados.

 

Um lugar onde se interage com o meio e este lhe transmite algo, onde há troca e interação. Fala da arte e da cultura a disposição de todos através dos Centros Culturais, exposições de arte, cinema e teatro.

 

A carta pode signficar as festas, as reuniões sociais, os encontros coletivos, os grupos, as exposições de arte e os centros culturais.  Abundância, luxo, requinte e fartura.

 

Representa: As festas, os namoros, as redes sociais, os grupos de afinidade, os lugares públicos, a interação social, o ver e ser visto, o luxo, o requinte, cultura e a arte, a vaidade, a moda.

 

21. A Montanha: A Montanha é um símbolo da barreira e do limite, rege as fronteiras e os grandes desafios. Bons exemplos disso são os Pirineus, uma cadeia de montanhas que define a fronteira entre a  Espanha e a França e a Serra do Mar, que por sua grande extensão e forte declive a forte declividade constituíram, por muito tempo, importante obstáculo à expansão da economia colonial nasterras da bacia e em boa parte das regiões Sul e Sudeste no Século XVIII.       

 

Devido a sua força e poder de obstrução,  representa os inimigos poderosos e os obstáculos de difícil transposição. O monte Everest, uma das maiores montanhas da Terra é o  desafio máximo dos alpinistas, onde poucos conseguiram chegar ao seu cume ou mesmo retornar de sua aventura.

 

Sua consistência sólida e suas dimensões colossais constituam um grande desafio. A Montanha é parte da própria Terra que se eleva aos céus, interferindo no clima e no relevo influenciando as populações e sua cultura , delimitando e, assim, diversificando.

 

Ela fala dos bloqueios e também das cristalizações. Mostra impedimentos que exigirão muito de nós. No sentido metafórico, "escalar a montanha" significar estar pronto para encarar um problema. A  aceitação dos limites pessoais,a paciência e o esforço são necessários. Significa que os inimigos devem ser evitados pois estão em vantagem em relação a nós.

 

Ela é uma força da natureza que não deve ser importunada para que não se volte contra nós.

 

Representa: Barreiras, fornteiras, limites, bloqueiros, inimigos poderosos, desafios perigosos, forças maiores do que nós, cristalizações, impedimentos, imobilidade.

 

22. Os Caminhos: Esta carta indica uma escolha importante onde teremos de abrir mão de algo em função de outra coisa. Ganho implica em perda. Ofertas múltiplas se apresentam exigindo de nós foco e firmeza na seleção do melhor. Dúvidas passageiras podem causar alguma hesitação.

 

A carta 22 mostra um caminho que termina numa encruzilhada ou numa bifurcação representando a disperção e até mesmo a separação, mas nada em caráter definitivo. Tudo se dispersa e ramifica, senguindo direções diferentes, indicando novas possibilidades.

 

Pode falar de desvios e da mudanças de planos indicando situações que tomam novos rumos.

 

São as escolhas e as  novas possibilidades que a vida nos apresenta.

 

Representa: Escolhas, divisão, hesitação, multiplicade, diversidade, dispersão, crescimento, oportunidades, desvios, separações sem carater definitivo.

 

23. Os Ratos: Simboliza tudo que é infiltrante e silencioso, que nos mina aos poucos e de forma imperceptível até que o prejuízo só se mostra em estágio avançado. Uma força corrosiva e erosiva que nos esgota gradual e lentamente.

 

Devido ao seu movimento silencioso e seus habitos noturnos, o rato é a cartada invisibilidade, escondendo e mascarando ações e pessoas. Os seus comportamentos notívagos e suas ações realizadas no escuro e enquanto estamos dormindo, longe dos nossos olhos, fazen-no reger tudo que é marginal.

 

Seus comportamentos compulsivos são sinal de vícios e alertam para todo o tipo de dependência. Descreve ações instintuais e impensadas e pode indicar cleptpomania. Enquanto a cobra é o roubo, o rato é o furto pois apodera-se do que não é seu de forma indireta e silenciosa.

 

É a sujeira e a contaminação, funcionando como um vetor de doenças, fala de infecções e agentes nocivos a saúde. Seu pequeno tamanho e corpo maleável e flexível são uma vatangem que lhe permitem perfurar qualquer barreita e sistema de segurança. Para rato não existem barreiras. O seu pequeno tamanho e corpo maleável e flexível permitem-lhe esgueirar-se pelas mais estreitas frestas.

 

Fala tudo que é pequeno, visível e invisível, inclusive o que é microscópico.

 

Representam: Os vícios, as compulsões, a marginalidade, a sujeira, a erosão, a corrosão, a ferrugem, os vazamentos, as infecções e infestações, os prejuízos e desgastes, o que é invisível, o que é pequeno e micro, os frutos, os parasitas, o que é furtivo.

 

24. O coração: O Coração é o "centro" do ser humano, sendo,simbolicamente,  o ponto onde se localizam os sentimentos e a habilidade de amar. Fala de um estado de plenitude, felicidademe amor.

 

A carta 24 tem comportamentos passivos e ativos quando capta o que recebe e irradia de forma intesa como o bombear do sangue pela sístole e a diástole do músculo carrdíaco. Esses sentimentos pulsantes são as nossas motivações mais fortes e tiram-nos da estagnação enchendo-nos de vida.

 

 Traz um significado especial e forte para o consulente a tudo que lhe roedar, descrevendo o seu estado emocional.

 

A generosidade é uma marca forte dessa carta pois é sensível aos sentimentos e emoções alheios tendendo a compartilhar tudo que tem e suprir as necessidades de quem lhe rodeia e é querido. É o calor humano e o carinho.

 

Ela coloca o amor e as emoções em tudo que toca, sem limites e buscando o prazer e a realização. É uma carta conciliadora e apaziguadora se bem colocada na leitura. Bons ou maus ela cria e reforça vínculos.

 

Tem o poder de tocar os outros e encantar, traz conforto e felicidade que vividos intensamente e canalizados para o que se deseja, geram sorte e abertura. É quando nos entregamos de corpo e alma a algo e alguém.

 

Representa: Amor, sentimentos puros e bons, sinceridade, fidelidade, generosidade, romantismo, calor humano, abertura de vida, alta capacidade de amar e se relacionar, intensidade, dedicação desinteressada, amor a vida e plenitude.

 

25. O Anel: O habito de usar aliança surgiu na grécia antiga onde o casal usava anéis de magnetita, um imã natural, no dedo anelar da mão esquerda, onde acreditava-se existir uma veia que ia direto para ocoração, unindo assim, de forma mágica, o casal. O seu formato circular, que não apresenta começo nem fim, simboliza a eternidade e o bom fluxo.

 

O anel é a carta dos casamentos e das sociedades, dos acordos e da união de partes com o mesmo interesse, que se articulam e promovem a realização dos mesmo objetivos. Assim ela é o trabalho em equipe!

 

Rege as ações encadeadas e as ações em conjunto.

 

Representa: Casamento, sociedade, união, pacto, união de esforçoes e interesses, sentido de compromisso, vínculos, ações coordenadas, o unir de duas partes separadas, a conexão, o vínculo, o estar casado.

 

26. O Livro: O livro fala dos segredos, dos mistérios e do que está oculto e codificado. Ele nada mais é do que ideias e pensamemtos transcritos em palavras, que por sua vez, são sinais que compões os códigos de uma língua e que estão ligados a uma cultura que apresenta caracaterísticas próprias. Só conseguirei decifrar o que ele tem a dizer se tiver as habilidades e conhecimentos necessários, caso contrários será “tudo grego” .

 

Os códigos e cifras, informações veladas e guardadas. O esoterismo como conhecimento velado, somente ascessível aos iniciados ou preparados para entendê-lo. É uma carta introspectiva e silenciosa que fala de conhecimentos profundos, altos níveis de inteligencia e comunicações simbólicas. Fala da intelectualidade e do estudo, da capacidade para discernir e aprender, da percepção que ultrapassa a forma. É a pesquisa e o conhecimento acumulado e registrado.

 

Representa: O conhecimeto profundo, os mistérios, os segredos, os códigos, o silêncio e a introspecção, os cantos escuros  e esconderijos, a mente brilhante e pentrante, a capacidade ver para além das aparências.

 

27. A carta: Ao contrário do livro, a carta representa a comunicação direta e o esclarecimento. Se apresenta de uma forma clara e esclaredora, eliminando as núvens e desvendando os mistérios. É a divulgação, a disseminação de conhecimento e informação palavra falada, a linguagem escrita, acessível e inteligível.

 

Como na noite do Óscar, onde o envelope é aberto para que se conheça o vencedor na consagrada frase “And the winner is…”,  representa a revelação.

 

A carta traz os conteúdos a tona, dá direção e situa, localiza e endereça.

 

Todas as formas de expressão e comunicação são regidos pela Carta.

 

Expressiva e extrovertida, a carta 27 mostra a geração e captação de informação.

 

Representa: Revelação, comunicação, experessão, extroversão, o endereçamento, a divulgação, a publicidade, a iformação, as sentenças, os papéis, a burocracia, os documentos, as cartas, o faxes, os e-mails, os telefonemas e mensagens, o entendimento e a compreensão, a ideias claras.

 

As cartas 28 e 29, o Cavalheiro e a Dama, foram criadas a partir de uma inovação criada pelo cartomante francês Jean Baptiste Alliette, mais conhecido como Etteilla. Ele criou uma carta extra para representar o consulente, chamada “O Consultante”.

 

Com o “boom” da cartomancia, os fabricantes de carta sofisticaram a ideia, substituindo a carta por duas outras: O cavalheiro e a dama marcando os gêneros dessa forma. Eças representam tanto o consulente que se identifica com seu gênero, até pessoas do  seu momento.

 

28. O Cavalheiro: Representa um homem, marido, o namorado, patrão, o amante, o companheiro, o pai, ou outro homem importante no seu momento, caso o jogo seja para uma mulher. Se o consulente for do sexomasculino, essa é a carta que o representa no jogo e, no caso de análises gerais ou em métodos que apresentem casas representando setores específicos, a sua presença indica a área de maior importância, domínio ou ação.

 

Em casos onde não caiba representar uma personalidade,quer seja o consulente ou outra pessoa, ela simboliza caracaterísticas masculinas como  poder de realização, liderança, atividade, ação, poder administrativo, força mental, firmeza, extroversão, etc.

 

 

 

29. A Dama: Representa uma mulher, esposa, a namorada, a chefe, a amante, a companheira, a mãe, ou outra mulher importante no seu momento, caso o jogo seja para um homem. Se o consulente for do sexo feminino, essa é a carta que a representa no jogo e, no caso de análises gerais ou em métodos que apresentem casas representando setores específicos, a sua presença indica a área de maior importância, domínio ou ação.

 

Em casos onde não caiba representar uma personalidade,quer seja o consulente ou outra pessoa, ela simboliza caracaterísticas femininas como a graciosidade, simpatia, fertilidade, sentimentos, geração,ferilidade, doçura, compaixão, passividade, falta de iniciativa.

 

 

 

 

 

30. O Lírio: No cristianismo é um símbolo Mariano que representa a virgindade de Maria e a eleição por ter sido escolhida para ser a mãe de Deus na Terra. Lírios representam a pureza, a sua cor branca transmite-nos uma ideia de limpeza e algo imaculado, não corrompido pelo pecado ou pela mão do Homem ou do Diabo. É a luz que combate a escuridão. Esse estado de pureza associa-o às Virtudes e descreve uma conduta moral elevada, atitudes maduras, produtivas e desinteressadas, uma postura honesta e exemplar.

 

Como foi entregue pelo Arcanjo Miguel a Maria, descreve situações importantes na vida da pessoa e com repercussões e dá ao que toca um caráter especial. É a flor da anunciação e por isso descreve a presença  da providência divina na nossa vida minimizando nos nosso esforços e ampliando nossos ganhos.

 

“ Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam;

E eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles.”

 

A passagem bíblica de Mateus 6:28-29 faz uma comparação dos lírios com o Grande Rei Salomão aludindo ao fato de que tendo toda essa formosura não tiveram de se esforçar muito para tal.

 

É uma carta de sorte e do favorecimento, prometendo ao Consulente alegria, sentimento de segurança, harmonia e contentamento. Onde os recursos abundam e as coisas acontecem sem grande esforço.

 

Paz e tranqüilidade, pureza e virtude. Período excelente de estabilidade emocional e paz com a vida. Transmite seus poderes benéficos às outras cartas do jogo, neutralizando ou minimizando quaisquer efeitos  negativos e danosos.

 

Lírios denotam uma vida feliz. Se opõem ao chicote representando a paz e ao rato representando a pureza e a ascepcia. Perde força qdo o assunto é paixão e sexo pela sua natureza muito calma e branda. Não busca satisfação meramente física e o sexo se apresenta através dela como uma manifestação e um gesto de amor e não como a satisfação de um prazer carnal.

 

Representa: Paz, providencia divina, conquista sem esforço, benefícios, eleição, tranquilidade, virtude, amor verdadeiro, assepsia, aposentadoria, beleza, candura, amizade, cura, proteção.

 

31. O Sol: O otimismo contagiante, a alegria e o brilho. A carta 30 do Petit Lenormand traz o astro-rei como um símbolo da mais alta felicidade e do otimismo inabalável. Essa força vibra na mais harmoniosa sintonia dispersando os obstáculos e a escuridão, espantando a tristeza e trazendo motivação e empolgação que geram uma força altamente realizadora trazendo sucesso para nossa vida e nossos empreendimentos. Opõem-se diametralmente a carta 6, as núvens, eliminando qualquer tipo de depressão e prostração.

 

Energia revitalizadora é fonte de cura e potencializa tudo que toca. Sua luz evidencia tudo que está no escuro e deixan-nos conscientes de tudo que se passa na nossa vida não permitindo auto-islusões, enganos e fugas.

 

O ouro do brilho dourado do sol é um indicador de prosperidade crescente e traz crescimento e progresso.

 

Na carta 30 nada é conseguido reclamando ou parado. Ela exige ação, fé, iniciativa e uma atitude matizada pela alegria.

 

Representa: Alegria, Otimismo, Felicidade. Prosperidade, realizações, consciência, calro, verão, brozeado, vida, energia criadora e potencializadora, expansão e sucesso, clareza.

 

32. A Lua: A confusão com o Arcano XVIII do Tarô, a também Lua, por parte de algumas pessoas, dificulta o entendimento de seu simbolismo dentro do Petit Lenormand. Enquanto o arcano XVIII simboliza o aspecto nefasto da Lua, que denota a ilusão, os inimigos ocultos, etc, a Rainha da Noite é vista aqui através dos olhos do Romantismo como um astro do amor e realizador dos desejos.

 

Temos, na escola europeia, as palavras Honras e Méritos associadas a ela que nos rementem a uma boa conduta moral e a codecoração ou o castigo pelas nossas ações e palavras. A Lua, aqui, reflete-as e as materializa, permitindo-nos colher os bons frutos das sementes plantada  e, também, sentir e ter consciência de nossas ações erradas para que possamos aprender com elas. Ela dá para as pessoas o que essas dão à vida.

 

Rege o sucesso profissional e o reconhecimento público sendo uma carta de prosperidade e progresso. Está ligada a Justiça e as consequencias de nossa influência no mundo.

 

Inspira-nos o romantismo e traz uma ar apaixnado para o momento e o coração. É a carta da fidelidade afetiva e dos relacionamentos harmoniosos onde existe grande entendimento, sentimentos verdadeiros e intensos.

 

Representa: Honras, Méritos, reconhecimento, sucesso, resultado de nossas ações, romantismo, bom entendimento.

 

33. A Chave: A chave é um símbolo de poder estando fortemente ligada ao livre arbítrio e ao poder pessoal. Ela tem a capacidade de eliminar impasses, esclarecer dúvidas e destruir obstáculos. Se apresenta de forma catalizadora, despertando o potencial de tudo que toca, “ligando” como chave na ignição de um carro ou um agente químico revelador de algo latente numa solução. Portanto, a chave, além de “abrir” e “fechar”, “liga” e “desliga”.

 

Removedora de obstáculos, traz prosperidade e abertura de caminhos. Como rompe barreiras e abre portas é uma cartade acesso. Permite-nos entrar e sair de onde queremos ou necessitamos. Ela pode liberar tanto coisas boas como más, dependendo do contexto onde estiver inserida e a intenção da pessoa.

 

Representa: o poder de ligar e desligar, abrir e fechar, é a senha dos cartões, e-mail,etc, o romper de barreiras, o despertar dos potenciais lantentes, as enzimas catalizadoras, os acessos, as portas.

 

34. Os Peixes: Esta carta está ligada ao saciar das necessidades físicas e materiais. Simboliza o dinheiro, os valores e capitais.

 

Como no milagre da multiplicação, onde Cristo multiplicou pão e peixe para alimentar a multidão faminta e não tinha o que comer, a carta 34 é farta e abundante não deixando faltar nada e tendo tudo numa quantidade acima do necessário. Tem um poder multiplicador e amplia as coisas.

 

É como uma farta colheita, gerando recursos e produzindo sem parar. Garante a realização dos nossos desejos pois manifesta e concretiza o que toca.

 

Fala da alegria e da felicidade proporcionadas pela sensação de saciedade e da “alegria do ter”.

 

É como um talismã da sorte que te ajuda a conseguir o que deseja e mantém nossa vida unida e provida.

 

Representa: O dinheiro, a fartura, a abundância e o crescimento matrial. Concrerizações de desejos e a saciedade das necessidades. A alegria do ter, a satisfação por se possuir algo. Indica algo que nos agrada e satisfaz.

 

35. A Âncora: A Âncora é a  segurança de um navio durante as tempestades pois fixa-o num ponto impedindo que seja levado pelos ventos, ondas e marés. Ela é um símbolo de esperança e fé pois representa o porto seguro para onde se pode retornar sempre que é preciso e é o ponto de estabilidade  em uma crise.  Os cristãos primitivos inscreviam a cruz  na âncora por causa da perseguição a sua prática religiosa de forma que ficasse mascarada pelo objeto. É um ponto de segurança e de apoio, nosso centro estabilizador. Seus aspectos negativos são a temosia e a inflexibilidade que podem acabar por nos “encalhar” e amarrar a situações complicadas. A visão estreita e focada sem abertura e amplitude.

 

É a capacidade de se manter constante em meio as adversidades, o foco e a determinação.

 

Representa: Fé, constância e estabilidade, um porto seguro, esperança, teimosia,  encalhe, estagnação.

 

36. A Cruz: A Cruz representa um processo de aprendizado que não deve ser ignorado. Grandes lições de vida e o amadurecimento através da dor e do sacrifício. Como cristo na cruz, denota um peso, um fardo que temos de carregar e momentos difíceis onde nos sentimos casados e exaustos porém, no fim vem a recompensa. Do calvário a redenção. Depois de muita pressão e luta, o alívio. É o momento de relaxar e descansar.

 

Um bom exemplo para essa carta é a luta contra uma doença degenerativa quando se encontra a sua cura em meio a possibilidades reduzidas. O alívio é indescritível e a experiência se torna inesquecível, marcando um divisor de águas e transformando a vida como um todo.

 

A fé e a religiosidade são fortes nessa carta pois o amor a Deus e a capacidade de se sacrifício são grandes. É a entrega a uma força maior e a confiança num poder superior.

 

Simboliza eventos marcantes que não esqueceremos mais, situações extremas aliadas a uma resistencia sobrehumana.

 

É a vitória sobre a morte, depois do sofrimentos, finalmente a recompensa depois da espera e do sacrificio.

 

Vitória depois do sacrifício.

 

Representa: Vitória, sacrifício, sofrimento, peso, situações marcantes, cicatrizes, maturidade e fé.

 
 
 
 
 

LENORMANDO © 2016 Alexsander Lepletier | Design por Luciana Lebel